29 de maio de 2013

Resenha: Capitães da Areia

Autor: Jorge Amado
Editora:  Companhia de Bolso
Edição:  1/2009
Número de Páginas: 280

Capitães da Areia, a história crua e comovente de meninos pobres que moram num trapiche em Salvador e clássico absoluto dos livros sobre a infância abandonada.



Jorge Amado quando publicou Capitães da Areia em 1937, não imaginava que aproximadamente 80 anos depois, sua obra seria tão atual quanto na época em que foi escrita.  Tudo devido ao contexto da história em que Jorge desenvolveu os seus personagens e seus dramas particulares.

A semelhança vai desde a luta de classes, rico x pobre, até temas mais atuais, ou não tão assim, como a homossexualidade. Tudo inserido dentro dos próprios meninos (os Capitães).

A narrativa de Jorge é a ferramenta mais esplêndida em toda a obra. Escrito em terceira pessoa, o autor visita cada personagem individualmente, permitindo ao leitor entender desde, o drama aos sonhos de cada garoto que vive no trapiche, sem falar que, ele vai dando o desfecho individual antes mesmo de a obra terminar.

Os personagens, especificamente os Capitães, são meninos fantasiados. Não fantasias em sentido de vestimentas, mas sim, como alegorias. São mais ou menos como, Meninos que não parecem meninos, mas no final da contas são apenas meninos!  Isso porque, apesar de terem em torno de 10 a 17 anos, os capitães da areia já  possuíam as malicias de um homem, além de, encarnarem desde o começo o futuro que tomariam no final.

Uma história inexplicável, arrepiante e emocionante. Me fez refletir sobre diversas coisas e entender aquilo que o autor queria transmitir na época/hoje, a ponto de não me conter em lagrimas a tamanha sensibilidade de escrita.



Nota: (5)

11 comentários:

  1. Eu já fiz um estudo bastante minucioso sobre o Jorge Amado, porque tive que fazer um trabalho de escola e valia a maior parte da minha nota. Ou seja, sei tudo sobre Jorge Amado. E tenho que admitir, fiquei bastante impressionada com a temática desse livro, nunca li um livro semelhante, a leitura é maravilhosa, a escrita do Jorge Amado é brilhante. E pelos capitulos serem curtos, eu li esse livro rapidinho.
    Amei a resenha e amei ver esse livro aqui sendo divulgado em blogs, porque o Jorge Amado merece esse prestigio; esse livro, principalmente, merece esse prestigio, porque é uma obra-prima.

    ResponderExcluir
  2. Adoro Jorge Amado, mas ainda não consegui ler esse livro. Ele parece ter uma temática bem diferente e reflexiva.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Felipe! Já li esse livro e é perfeitamente perfeito. Acho que meu livro preferido do Jorge Amado. Tive duas indicações para começar a leitura e ainda bem que ouvi a dica, pois não me arrependi. Ótima resenha. Parabéns!

    XOXO
    http://foolishhappy.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Esse livro tem muito jeito de ser espetacular! Tenho muita vontade de ler
    Beijo,
    Nic

    ResponderExcluir
  5. Adoro livros que me fazem refletir, gostei muito do enredo da história! Espero ter a oportunidade de ler o livro pois ele parece ser ótimo!

    ResponderExcluir
  6. Oiie
    Eu nunca vi esse livro antes..
    Nao sou muito fã d livros nacionais, mas leio.. mas sem duvidas é de um dos autores mais reconhecidos do Brasil..
    Parece ser interessante, mas nao me despertou interesse! =/

    bjs

    ResponderExcluir
  7. Eu nunca li nada de Jorge Amado, mas ele é bahiano assim como eu e qualquer dia desses surge a oportunidade. Não sei se eu tenho muito interesse, mas de qualquer maneira acho que vai ser obrigatório ler pra escola, no futuro...

    ResponderExcluir
  8. Eu até hoje só li um livro de Jorge Amado que foi Mar morte e curti muito que gostaria de ler outros dele, acho que o povo critica muito porque é um literatura brasileira clássica pode se dizer assim, mas eu digo que é muito bom, porque o povo gosta de assistir, mas não gosta de ler, posso afirmar que ler é bem melhor.

    ResponderExcluir
  9. Sério que Capitães da areia é de 1937, ainda não li o livro, mas vi o filme (sei que não é a mesma coisa), e fiquei impressionada com a história.
    Concordo plenamente que a temática é super atual.
    Fiquei até mais curiosa pra ler o livro agora.

    Bjok

    ResponderExcluir